Punts – Evolução dos Kickers

football_goal[1]

 

 

Durante a temporada, trouxe uns stats sobre aproveitamento de Kickers agora em comparação com médias históricas, num episódio do 10 Jardas no Ar.

Achei interessante aprofundar o assunto nesse momento, quando a NFL discute se vale a pena alterar a distância das tentativas de EXTRA POINT para 43 jardas.

Isso porque a tentativa tradicional a partir da jarda nr. 2 virou quase automática, como veremos mais abaixo.

Razões para isso são claras, como melhor treinamento e novos estádios com condições de vento controladas.

Uma nova tendência também me chamou a atenção. Alguns Kickers estão preferindo posicionar a bola 8 jardas atrás da linha de Scrimmage ao invés das tradicionais 7 jardas. Isso os distancia um pouco mais do GOAL POST, porém os concede uma jarda a mais de trajetória, para tentar evitar bloqueios. Uma resposta à elevada estatura dos defensores modernos.

Vamos ver então o quão mais eficiente estão os Kickers.

 

Estatísticas 2013

Kickers podem virar estrelas da liga?

Argumentos podem ser feitos para colocar por exemplo Justin Tucker como o MVP do Baltimore Ravens em 2013.

Ele encabeça uma lista de Kickers, capazes de mudar a percepção sobre os jogadores dessa posição.

Vimos ainda Matt Prater (Broncos) quebrar o recorde de distância em FIELD GOAL convertido: 64 jardas.

Entre os Kickers com um mínimo de 10 tentativas, 11 deles tiveram um aproveitamento superior a 90% no total de suas tentativas.

Prater liderou a categoria com 96.2%

A distância de 50 jardas é um balizador de potência dos chutes.

Para Kickers com um mínimo de 2 tentativas dessa marca ou mais longas:

  • 5 jogadores tiveram aproveitamento de 100%
  • 5 jogadores com aproveitamento superior a 80%
  • 3 jogadores com aproveitamento superior a 70%

justin-tucker

 

Médias Históricas

Qual foi a evolução? Vamos ver essas médias em anos anteriores.

Aproveitamento geral de 90% ou mais (mínimo de 10 tentativas)

  • 2010 – 8 Kickers
  • 2007 – 6 Kickers
  • 2001 – 1 Kicker
  • 1994 – 3 Kickers
  • 1984 – 0 Kickers

Em tentativas de 50 ou + jardas (mínimo de 2 tentativas)

  • 2010 – 3 com 100% / 1 acima de 80% / 5 acima de 70%
  • 2007 – 2 com 100% / 0 acima de 80% / 1 acima de 70%
  • 2001 – 2 com 100% / 0 acima de 80% / 1 acima de 70%
  • 1994 – 4 com 100% / 0 acima de 80% / 0 acima de 70%
  • 1984 – informação não disponível

 

Extra Points

O item que gerou essa análise. EP virou mesmo acerto (1 pt) automático?

  • 2013 – 5 erros em 1224 tentativas / aproveitamento = 99.6%
  • 2010 – 10 erros em 1149 tentativas / aproveitamento = 99.1%
  • 2007 – 11 erros em 1142 tentativas/ aproveitamento = 99.0%
  • 2001 – 19 erros em 1027 tentativas / aproveitamento = 98.1%
  • 1994 – 11 erros em 902 tentativas/ aproveitamento = 98.8%
  • 1984 – 31 tentativas erradas em 1070/ aproveitamento = 97.1%

Se pensarmos bem, a diferença estatística é muito pequena.

Interessante ver o número total de EXTRA POINTS tentados em 2013 contra 2007. Mostra o impacto das novas regras que facilitaram a vida dos ataques, cujo resultado foi um número maior de TOUCHDOWNS.

Acho válida a idéia de distanciar o EXTRA POINT, como deve ser testado na pré-temporada, mas particularmente (para o desgosto dos kickers) preferiria uma outra alternativa: acabar de vez com eles.

Isso diminuiria um pouco o tempo total do jogo que está elevado, e ainda preservaria a integridade física dos jogadores. Por exemplo, Rob Gronkowski (TE – Patriots) se contundiu num lance desses na reta final de 2012.

extra point

 

TOUCHBACKS

Como já falado em vários posts, a NFL moveu a posição de campo onde a bola é colocada para KICKOFFs em 2011, no qual dificultou a vida dos retornadores, mas ajudou os Kickers a aumentar o número de TOUCHBACKS (quando o retornador opta por parar a jogada dentro da ENDZONE antes do retorno).

Eles voltaram o KICKOFF para a linha de 35 jardas onde era feito até 1993, quando resolveram “incrementar” esse aspecto do jogo.

Vamos ver o quanto impactou nas estatísticas dos Kickers. O número abaixo representa o percentual de retornos tentados pelos adversários em relação ao total de KICKOFFs feitos.

  • 2013 – 11 jogadores com índice menor que 40% de retorno
  • 2011 – 9 jogadores com índice menor que 40% de retorno
  • 2010 – 0 jogadores com índice menor que 40% de retorno
  • 2007 – 0 jogadores com índice menor que 40% de retorno
  • 2001 – 0 jogadores com índice menor que 40% de retorno
  • 1994 – 0 jogadores com índice menor que 40% de retorno
  • 1993 – 2 jogadores com índice menor que 40% de retorno

É interessante comparar 1993 com 2011, respectivamente o último ano da regra atual e o primeiro quando foi refeita.

A evolução fica evidente. Como curiosidade, Graham Gano (Panthers) teve apenas 20% de seus KICKOFFs retornados.

 

Punters

punter

 

E quanto aos Punters? Será que podemos verificar uma evolução parecida?

Busquei a média de distância nos chutes de PUNTs antes do retorno acontecer, pois não sofre influência das unidades de cobertura / retorno.

Quantos Punters tiveram uma média superior a 47 jardas de distância? (mínimo de 7 partidas disputadas)

  • 2013 – 6 Punters
  • 2010 – 1 Punter
  • 2007 – 5 Punters
  • 2001 – 2 Punters
  • 1994 – 0 Punters
  • 1984 – 0 Punters

Sim, dá para ver essa melhora também, porém não tenho como explicar apenas 1 Punter com média superior a 47% em 2010.

 

 

 

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. Fábio Silva disse:

    Para quem acompanha a NFL a pouco tempo, o extra point parece algo mongol.

  2. Bruno Veloso disse:

    Discordo com a extinção do EP. Acho que deveriam ser desenvolvidas novas técnicas que a Defesa poderia implementar para evitar isso. Além do mais, um erro do Kicker, seja por erro dele ou interferência da defesa adversária, inputa um fator motivacional importante aos times, tanto negativamente, pelo lado do Kicker, quanto positivamente, pelo lado defensor, e isso pode vir a ser importante no decorrer da partida.

  1. 13 de outubro de 2014

    […] Números não compatíveis com os apresentados no post PUNTS. (clique aqui). […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *